Quais são as rosas do deserto? Variedades de Rosas do Deserto.

Quais são as Rosas do Deserto? Espécies e variedades de Rosas do Deserto.

Você sabe quais são?

As plantas do gênero Adenium são popularmente conhecidas como Rosas do Deserto. O habitat natural dessas maravilhosas plantas são as regiões quentes e secas da África, o extremo sul da Península Arábica e a ilha de Socotra.

Alguns pesquisadores botânicos afirmam que há apenas uma espécie de rosa do deserto, a Adenium obesum, enquanto as demais espécies seriam, na verdade, sub-espécies ou variedades desta. As opiniões contrárias defendem que as Adeniums multiflorum, swarzicum, somalense, crispum, oleifolium, arabicum, boehmianum e socotratum, tratam-se de espécies distintas, originárias de climas semi-áridos.

 

Mas quantos são os tipos de rosas do deserto que podemos encontrar?

As informações que apresentamos abaixo são as que estão disponíveis em livros e sites sobre o assunto.

 

1. Adenium obesum

É o tipo mais difundido em seu habitat natural. Ocorre naturalmente em uma ampla faixa da África subsaariana, desde o Senegal e Mauritânia, até o Sudão e o Quênia. Seu período de floração é relativamente longo no verão e, em um local quente e com bastante Sol, pode ser mantida em crescimento durante o inverno. Essa é a espécie de rosa do deserto mais cultivada e tem sido utilizada como uma das matrizes para muitas plantas híbridas. Suas flores variam em tamanho, mas normalmente apresentam cerca de 5 centímetros de diâmetro. As margens das pétalas variam de rosa a vermelho escuro e gradualmente tendem ao branco perto do miolo da flor. As plantas jovens, germinadas de semente, têm um caudex gordinho e a planta, em sua fase adulta, desenvolve um tronco muito mais robusto. As plantas advindas de estacas enraizadas só formam um tronco mais grosso com o passar de bastante tempo.

Figura 1. Adenium obesum

Figura 1. Adenium obesum

(Fonte: garden.org)

 

2. Adenium multiflorum

Essa rosa do deserto é frequentemente apresentada como uma variedade da Adenium obesum, porém é bastante diferente em diversos aspectos. É provavelmente o segundo tipo de rosa do deserto mais comum. Essa variedade possui um tronco mais delgado que Adenium obesum, e, obrigatoriamente, entra em dormência no inverno. Sua florada dura de 3 a 4 meses no inverno, enquanto fica sem folhas. As flores são abundantes e possivelmente as mais marcantes de todo o grupo. As pétalas possuem, em suas bordas, uma faixa vermelha brilhante de larguras variadas que é nitidamente delimitada das partes internas, que são mais brancas. Essa rosa do deserto é originária de Moçambique e países vizinhos ao sudeste da África.

Figura 2. Adenium multiflorum

(Fonte: worldofsucculents.com)

 

3. Adenium swazicum

A rosa do deserto conhecida como Adenium swazicum pode ser encontrada em viveiros especializados. Sua localização de origem encontra-se na Suazilândia e áreas adjacentes a leste da África do Sul e Moçambique. Embora esta rosa do deserto seja de fácil cultivo, ela é muito suscetível ao ataque de ácaros. Quando cultivadas em áreas muito sombreadas, as hastes desta planta tender a pender. Suas flores apresentam coloração uniforme, variando entre os tons de rosa, podendo também aparecer em tons de roxo rosado. O período de floração dessa rosa do deserto ocorre entre alguns meses no final do verão e outono. Porém o cultivar conhecido como “Perpetual Pink” tem um período de floração mais longo.

Figura 3. Adenium swazicum

(Fonte: flickr.com)

 

4. Adenium somalense

Essa espécie de rosa do deserto trata-se de outra variável. Naturalmente pode ser encontrada ao sul da Somália, no Quênia e na Tanzânia. Em seu habitat natural, esta planta se torna uma pequena árvore, com aproximadamente 4,5 metros de altura, e com um tronco massivamente inchado. Em outras áreas, essa rosa do deserto é mais arbustiva e semelhante à Adenium obesum. Suas flores são um pouco menores, porém similares àquelas apresentadas pela A. obesum.

Figura 4. Adenium somalense

Figura 4

(Fonte: flickr.com)

 

5. Adenium crispum

Por muitas vezes essa planta é apresentada como sendo uma subespécie da Adenium somalense. Entretanto, recentemente tem-se divulgado que essas duas são espécies diferentes. Adenium crispum é uma espécie anã da costa desértica da Somália. Essa planta desenvolve uma bela forma em miniatura, e seu caudex é subterrâneo, espesso e muito grande, dele crescem alguns caules finos, com não mais que 0,5 metro de altura. Suas flores são menores do que na maioria das outras Adeniums, porém a planta as produz em abundância e com belas faixas vermelhas e brancas.

Figura 5. Adenium crispum

(Fonte: desertplantsimages.blogspot.com)

 

6. Adenium oleifolium

Essa é outra espécie pequenina, com caudex subterrâneo e alguns caules de pouco mais de 0,5 metro de altura. Ela é originária do deserto de Kalahari, ao sul de Botswana, e ao norte da Namíbia e África do Sul. É uma espécie de crescimento lento, com flores relativamente pequenas. Comercialmente, é possível encontrá-la em viveiros, porém não é frequentemente cultivada.

Figura 6. Adenium oleifolium

(Fonte: overplant.ru)

 

7. Adenium arabicum

Como podemos perceber pelo próprio nome, essa rosa do deserto vem da Península Arábica, especialmente da Arábia Saudita e do Iêmen. É possível que existam duas plantas diferentes provenientes desta mesma região. A primeira delas (tipo 1), é rosa do deserto encontrada na Arábia Saudita, que cresce verticalmente, pode ter até 3,5 metros de altura e se parece um pouco com a Adenium somalense. A segunda delas (tipo 2), é uma rosa do deserto mais baixa, com caules inclinados e ramificações que saem do caudex. Seu caudex é esférico e pode apresentar até 1 metro de diâmetro! Ambas as formas ficam inativas no inverno, mas começam a desenvolver novos botões, flores e folhas à medida que os dias começam a ficar mais longos e quentes.

Figura 7. Adenium arabicum - tipo 1 (esquerda) e tipo 2 (direita)

tipo 1   

(Fonte: llifle.com)

 

8. Adenium boehmianum

Essa rosa do deserto é uma espécie mais ocidental, proveniente do noroeste da Namíbia e do sul da Angola. Seu crescimento é lento, precisa ter vários anos de idade antes que possa florescer. A coloração de suas flores, geralmente é rosa-roxo pálido e uniforme. Na natureza, a Adenium boehmianum pode ser encontrada sob a forma de arbustos pequenos, pouco ramificados, apresentando de 0,5 a 1,20 metros de altura.

Figura 8. Adenium boehmianum

(Fonte: raritet-plants.ru)

 

9. Adenium socotranum

Atualmente, essa rosa do deserto é uma raridade. Na natureza, pode ser encontrada apenas na isolada (e muitas vezes inacessível) ilha de Socotra, no Oceano Índico. Esta espécie é a gigante do grupo. Seu tronco é maciço e pode chegar até 3 metros de altura, com 2,5 metros de diâmetro. Sua raridade é decorrente da baixa disponibilidade das plantas e sementes para o cultivo fora do habitat natural. Porém na ilha de Socotra a Adenium socotranum ocorre aos milhares. Esforços recentes para propagar e manter esta espécie de rosa do deserto, estão sendo bem-sucedidos e mudas podem ser, ocasionalmente, em sites e em viveiros especializados; devido à raridade estas mudas tendem a ser um pouco mais caras.

Figura 9. Adenium socotranum

(Fonte: ontheroad.blogspot.com)

 

Referência bibliográfica:

- Desert Rose, Adenium obesum. University of Wisconsin-Madison: https://wimastergardener.org/article/desert-rose-adenium-obesum/

Sobre a loja

Rosa do Deserto Garden Center, especializada no cultivo e venda de produtos relacionados as Rosas do Deserto, Flor do Deserto. Despachamos para todo Brasil através dos correios. Sementes, mudas, enxertos, plantas jovens e adultas, ferramentas, adubos, fertilizantes, substratos, bandejas, kit´s de germinação e muito mais você encontra aqui. Despachamos para todo Brasil através dos correios. Possuímos um sítio (zona rual) localizado há 12 km do centro de Divinópolis, onde está montado nosso viveiro.

Pague com
  • PagHiper
Selos

Rosa do Deserto - Sérgio Adenium - CPF: 715.314.916-34 © Todos os direitos reservados. 2020